terça-feira, 21 de outubro de 2014

"Admirável Mundo Novo" - de Aldous Huxley

"Brave New World" - "Admirável Mundo Novo".

Dizem que entre os primeiros 25 (livros) do Século.

Independentemente da precisão, ou não, dessa ordenação, é obra lida nesta geração, impressiona … pela enorme antecipação da realidade … e pela “distopia” que carrega (utopia não optimista).


Chapter Seventeen

ART, SCIENCE–you seem to have paid a fairly high price for your happiness," said the Savage, when they were alone. "Anything else?"
"Well, religion, of course," replied the Controller. "There used to be something called God–before the Nine Years' War. But I was forgetting; you know all about God, I suppose."
"Well …" The Savage hesitated. He would have liked to say something about solitude, about night, about the mesa lying pale under the moon, about the precipice, the plunge into shadowy darkness, about death. He would have liked to speak; but there were no words. Not even in Shakespeare.
The Controller, meanwhile, had crossed to the other side of the room and was unlocking a large safe set into the wall between the bookshelves. The heavy door swung open. Rummaging in the darkness within, "It's a subject," he said, "that has always had a great interest for me." He pulled out a thick black volume. "You've never read this, for example."
The Savage took it. "The Holy Bible, containing the Old and New Testaments," he read aloud from the title-page.
"Nor this." It was a small book and had lost its cover.
"The Imitation of Christ."
"Nor this." He handed out another volume.
"The Varieties of Religious Experience. By William James."

"And I've got plenty more," Mustapha Mond continued, resuming his seat. "A whole collection of pornographic old books. God in the safe and Ford on the shelves." He pointed with a laugh to his avowed library–to the shelves of books, the rack full of reading-machine bobbins and sound-track rolls.
"But if you know about God, why don't you tell them?" asked the Savage indignantly. "Why don't you give them these books about God?"
"For the same reason as we don't give them Othello: they're old; they're about God hundreds of years ago. Not about God now."
"But God doesn't change."
"Men do, though."
"What difference does that make?"
"All the difference in the world," said Mustapha Mond. He got up again and walked to the safe. "There was a man called Cardinal Newman," he said. "A cardinal," he exclaimed parenthetically, "was a kind of Arch-Community-Songster."
"'I Pandulph, of fair Milan, cardinal.' I've read about them in Shakespeare."
"Of course you have. Well, as I was saying, there was a man called Cardinal Newman. Ah, here's the book." He pulled it out. "And while I'm about it I'll take this one too. It's by a man called Maine de Biran. He was a philosopher, if you know what that was."
"A man who dreams of fewer things than there are in heaven and earth," said the Savage promptly.
"Quite so. I'll read you one of the things he did dream of in a moment. Meanwhile, listen to what this old Arch-Community-Songster said." He opened the book at the place marked by a slip of paper and began to read. "'We are not our own any more than what we possess is our own. We did not make ourselves, we cannot be supreme over ourselves. We are not our own masters. We are God's property. Is it not our happiness thus to view the matter? Is it any happiness or any comfort, to consider that we are our own? It may be thought so by the young and prosperous. These may think it a great thing to have everything, as they suppose, their own way–to depend on no one–to have to think of nothing out of sight, to be without the irksomeness of continual acknowledgment, continual prayer, continual reference of what they do to the will of another. But as time goes on, they, as all men, will find that independence was not made for man–that it is an unnatural state–will do for a while, but will not carry us on safely to the end …'" Mustapha Mond paused, put down the first book and, picking up the other, turned over the pages. "Take this, for example," he said, and in his deep voice once more began to read: "'A man grows old; he feels in himself that radical sense of weakness, of listlessness, of discomfort, which accompanies the advance of age; and, feeling thus, imagines himself merely sick, lulling his fears with the notion that this distressing condition is due to some particular cause, from which, as from an illness, he hopes to recover. Vain imaginings! That sickness is old age; and a horrible disease it is. They say that it is the fear of death and of what comes after death that makes men turn to religion as they advance in years. But my own experience has given me the conviction that, quite apart from any such terrors or imaginings, the religious sentiment tends to develop as we grow older; to develop because, as the passions grow calm, as the fancy and sensibilities are less excited and less excitable, our reason becomes less troubled in its working, less obscured by the images, desires and distractions, in which it used to be absorbed; whereupon God emerges as from behind a cloud; our soul feels, sees, turns towards the source of all light; turns naturally and inevitably; for now that all that gave to the world of sensations its life and charms has begun to leak away from us, now that phenomenal existence is no more bolstered up by impressions from within or from without, we feel the need to lean on something that abides, something that will never play us false–a reality, an absolute and everlasting truth. Yes, we inevitably turn to God; for this religious sentiment is of its nature so pure, so delightful to the soul that experiences it, that it makes up to us for all our other losses.'" Mustapha Mond shut the book and leaned back in his chair. "One of the numerous things in heaven and earth that these philosophers didn't dream about was this" (he waved his hand), "us, the modern world. 'You can only be independent of God while you've got youth and prosperity; independence won't take you safely to the end.' Well, we've now got youth and prosperity right up to the end. What follows? Evidently, that we can be independent of God. 'The religious sentiment will compensate us for all our losses.' But there aren't any losses for us to compensate; religious sentiment is superfluous. And why should we go hunting for a substitute for youthful desires, when youthful desires never fail? A substitute for distractions, when we go on enjoying all the old fooleries to the very last? What need have we of repose when our minds and bodies continue to delight in activity? of consolation, when we have soma? of something immovable, when there is the social order?"
"Then you think there is no God?"
"No, I think there quite probably is one."
"Then why? …"
Mustapha Mond checked him. "But he manifests himself in different ways to different men. In premodern times he manifested himself as the being that's described in these books. Now …"
"How does he manifest himself now?" asked the Savage.
"Well, he manifests himself as an absence; as though he weren't there at all."
"That's your fault."
"Call it the fault of civilization. God isn't compatible with machinery and scientific medicine and universal happiness. You must make your choice. Our civilization has chosen machinery and medicine and happiness. That's why I have to keep these books locked up in the safe. They're smut. People would be shocked it …"
The Savage interrupted him. "But isn't it natural to feel there's a God?"
"You might as well ask if it's natural to do up one's trousers with zippers," said the Controller sarcastically. "You remind me of another of those old fellows called Bradley. He defined philosophy as the finding of bad reason for what one believes by instinct. As if one believed anything by instinct! One believes things because one has been conditioned to believe them. Finding bad reasons for what one believes for other bad reasons–that's philosophy. People believe in God because they've been conditioned to.
"But all the same," insisted the Savage, "it is natural to believe in God when you're alone–quite alone, in the night, thinking about death …"
"But people never are alone now," said Mustapha Mond. "We make them hate solitude; and we arrange their lives so that it's almost impossible for them ever to have it."
The Savage nodded gloomily. At Malpais he had suffered because they had shut him out from the communal activities of the pueblo, in civilized London he was suffering because he could never escape from those communal activities, never be quietly alone.
"Do you remember that bit in King Lear?" said the Savage at last. "'The gods are just and of our pleasant vices make instruments to plague us; the dark and vicious place where thee he got cost him his eyes,' and Edmund answers–you remember, he's wounded, he's dying–'Thou hast spoken right; 'tis true. The wheel has come full circle; I am here.' What about that now? Doesn't there seem to be a God managing things, punishing, rewarding?"
"Well, does there?" questioned the Controller in his turn. "You can indulge in any number of pleasant vices with a freemartin and run no risks of having your eyes put out by your son's mistress. 'The wheel has come full circle; I am here.' But where would Edmund be nowadays? Sitting in a pneumatic chair, with his arm round a girl's waist, sucking away at his sex-hormone chewing-gum and looking at the feelies. The gods are just. No doubt. But their code of law is dictated, in the last resort, by the people who organize society; Providence takes its cue from men."
"Are you sure?" asked the Savage. "Are you quite sure that the Edmund in that pneumatic chair hasn't been just as heavily punished as the Edmund who's wounded and bleeding to death? The gods are just. Haven't they used his pleasant vices as an instrument to degrade him?"
"Degrade him from what position? As a happy, hard-working, goods-consuming citizen he's perfect. Of course, if you choose some other standard than ours, then perhaps you might say he was degraded. But you've got to stick to one set of postulates. You can't play Electro-magnetic Golf according to the rules of Centrifugal Bumble-puppy."
"But value dwells not in particular will," said the Savage. "It holds his estimate and dignity as well wherein 'tis precious of itself as in the prizer."
"Come, come," protested Mustapha Mond, "that's going rather far, isn't it?"
"If you allowed yourselves to think of God, you wouldn't allow yourselves to be degraded by pleasant vices. You'd have a reason for bearing things patiently, for doing things with courage. I've seen it with the Indians."
"l'm sure you have," said Mustapha Mond. "But then we aren't Indians. There isn't any need for a civilized man to bear anything that's seriously unpleasant. And as for doing things–Ford forbid that he should get the idea into his head. It would upset the whole social order if men started doing things on their own."
"What about self-denial, then? If you had a God, you'd have a reason for self-denial."
"But industrial civilization is only possible when there's no self-denial. Self-indulgence up to the very limits imposed by hygiene and economics. Otherwise the wheels stop turning."
"You'd have a reason for chastity!" said the Savage, blushing a little as he spoke the words.
"But chastity means passion, chastity means neurasthenia. And passion and neurasthenia mean instability. And instability means the end of civilization. You can't have a lasting civilization without plenty of pleasant vices."
"But God's the reason for everything noble and fine and heroic. If you had a God …"
"My dear young friend," said Mustapha Mond, "civilization has absolutely no need of nobility or heroism. These things are symptoms of political inefficiency. In a properly organized society like ours, nobody has any opportunities for being noble or heroic. Conditions have got to be thoroughly unstable before the occasion can arise. Where there are wars, where there are divided allegiances, where there are temptations to be resisted, objects of love to be fought for or defended–there, obviously, nobility and heroism have some sense. But there aren't any wars nowadays. The greatest care is taken to prevent you from loving any one too much. There's no such thing as a divided allegiance; you're so conditioned that you can't help doing what you ought to do. And what you ought to do is on the whole so pleasant, so many of the natural impulses are allowed free play, that there really aren't any temptations to resist. And if ever, by some unlucky chance, anything unpleasant should somehow happen, why, there's always soma (opioid like drug) to give you a holiday from the facts. And there's always soma to calm your anger, to reconcile you to your enemies, to make you patient and long-suffering. In the past you could only accomplish these things by making a great effort and after years of hard moral training. Now, you swallow two or three half-gramme tablets, and there you are. Anybody can be virtuous now. You can carry at least half your morality about in a bottle. Christianity without tears–that's what soma is."
"But the tears are necessary. Don't you remember what Othello said? 'If after every tempest came such calms, may the winds blow till they have wakened death.' There's a story one of the old Indians used to tell us, about the Girl of Mátaski. The young men who wanted to marry her had to do a morning's hoeing in her garden. It seemed easy; but there were flies and mosquitoes, magic ones. Most of the young men simply couldn't stand the biting and stinging. But the one that could–he got the girl."
"Charming! But in civilized countries," said the Controller, "you can have girls without hoeing for them, and there aren't any flies or mosquitoes to sting you. We got rid of them all centuries ago."
The Savage nodded, frowning. "You got rid of them. Yes, that's just like you. Getting rid of everything unpleasant instead of learning to put up with it. Whether 'tis better in the mind to suffer the slings and arrows of outrageous fortune, or to take arms against a sea of troubles and by opposing end them … But you don't do either. Neither suffer nor oppose. You just abolish the slings and arrows. It's too easy."
He was suddenly silent, thinking of his mother. In her room on the thirty-seventh floor, Linda had floated in a sea of singing lights and perfumed caresses–floated away, out of space, out of time, out of the prison of her memories, her habits, her aged and bloated body. And Tomakin, ex-Director of Hatcheries and Conditioning, Tomakin was still on holiday–on holiday from humiliation and pain, in a world where he could not hear those words, that derisive laughter, could not see that hideous face, feel those moist and flabby arms round his neck, in a beautiful world …
"What you need," the Savage went on, "is something with tears for a change. Nothing costs enough here."
("Twelve and a half million dollars," Henry Foster had protested when the Savage told him that. "Twelve and a half million–that's what the new Conditioning Centre cost. Not a cent less.")
"Exposing what is mortal and unsure to all that fortune, death and danger dare, even for an eggshell. Isn't there something in that?" he asked, looking up at Mustapha Mond. "Quite apart from God–though of course God would be a reason for it. Isn't there something in living dangerously?"
"There's a great deal in it," the Controller replied. "Men and women must have their adrenals stimulated from time to time."
"What?" questioned the Savage, uncomprehending.
"It's one of the conditions of perfect health. That's why we've made the V.P.S. treatments compulsory."
"Violent Passion Surrogate. Regularly once a month. We flood the whole system with adrenin. It's the complete physiological equivalent of fear and rage. All the tonic effects of murdering Desdemona and being murdered by Othello, without any of the inconveniences."
"But I like the inconveniences."
"We don't," said the Controller. "We prefer to do things comfortably."
"But I don't want comfort. I want God, I want poetry, I want real danger, I want freedom, I want goodness. I want sin."
"In fact," said Mustapha Mond, "you're claiming the right to be unhappy."
"All right then," said the Savage defiantly, "I'm claiming the right to be unhappy."
"Not to mention the right to grow old and ugly and impotent; the right to have syphilis and cancer; the right to have too little to eat; the right to be lousy; the right to live in constant apprehension of what may happen to-morrow; the right to catch typhoid; the right to be tortured by unspeakable pains of every kind." There was a long silence.
"I claim them all," said the Savage at last.
Mustapha Mond shrugged his shoulders. "You're welcome," he said.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Orçamento Geral de Estado - 2015?

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

E como se altera, para coisa melhor, esta Democracia (ou Oligarquia)?

Definição de Oligarquia - É uma estrutura de poder na qual o domínio efectivo do colectivo se encontra sob as rédeas de um numero reduzido de pessoas. Essas podem pertencer a grupos como a realeza, ligações familiares, semelhança de educação, associação corporativa, controlo religioso ou militar. Tais Estados são frequentemente controlados por reduzido número de famílias proeminentes que tipicamente passam a sua influência duma geração para a seguinte. Plutocracia ou monarquia são subclasses da oligarquia.

"No sec. IV antes de Cristo, depois da restauração da democracia dos golpes oligárquicos, os atenienses usaram o sorteio para a nomeação dos membros do governo (e altos funcionários públicos) de forma a contrariar aquilo que, de forma aguda, viam como uma tendência para a oligarquia, se a uma classe de profissionais da governação fosse facilitada  a utilização a sua sabedoria, experiência e habilidades em beneficio próprio e de familiares."


"A essência do poder oligárquico não está na herança de pais-para-filhos, mas na persistência de uma certa visão do mundo e numa certa forma de vida .... Um grupo dominante é um grupo dominante desde que consiga nomear os seus sucessores .... Quem exerce o "poder" não é importante, desde que a estrutura hierárquica se mantenha sempre a mesma."
George Orwell

Wealth, in even the most improbable cases, manages to convey the aspect of intelligence.
John Kenneth Galbraith

"Les hommes sont comme les chiffres, ils n’acquièrent de la valeur que par leur position"
Napoleão Bonaparte

Como se sabe (a propósito do voto), a popularidade pode decorrer de várias razões e alguns dos argumentos que a impulsionam (riquesa/posição ... ou exposição publica em "palco" dourado)  tem pouco a ver com a capacidade de guiar (governar) bem (com beneficio para a maioria votante). A popularidade também se compra.
Bem sabemos que para se poder liderar é necessário o consentimento, qualquer que seja a sua natureza. Mas como se poderá encontrar liderança consentida, quando esta resulte duma disputa entre demagogia exuberante, esbanjadora, populista e ignorante - contra uma sabedoria discreta, contida mas verdadeira?

Naturalmente que o ideal poderia ser uma sabedoria verdadeira, exuberante, prospera e popular ... mas poucas vezes esse prémio sai na rifa de forma natural.

Portanto parece que, apesar de toda a "sujidade" que se tem visto fluir nas modernas governações democráticas,  a corrente continuará a seguir o seu caminho - mas nada impede que sejam feitas obras "hidraulicas" no seu percurso para evitar "excessos da natureza" e, até, tirar algum proveito da "força da gravidade e da energia do sol".

Nada impede, é como quem diz: o "busílis" da questão está nas conveniencias de alguns e no consentimento do rebanho - ou no controlo do sua opinião e  comportamento. Quem controlar a opinião do rebanho, talvez o possa levar para qualquer lado e legitimar qualquer "atrocidade". E se a "sujidade" que se tem visto fluir for conveniente aos pastores, e se esta não "incomodar" demasiado o rebanho, porquê mudar?

A propósito da representatividade do regime (neste caso da primeira Republica, mas aplicável ao actual democrático também), aqui vai uma "pérola" de V.P.V.:

"Pouco depois do 5 de Outubro (Queda da Monarquia e implantação da Republica) António José de Almeida (aliado de Afonso Costa e 6º Presidente da Republica) perguntou, melodramaticamente, se 300.000 republicanos chegavam para "manter em respeito" 5 milhões de portugueses. A pergunta era boa, sobretudo porque, na melhor das hipóteses, os republicanos não passavam de 100.000."
(menos de 2%)

Vasco Pulido Valente - in “A República Velha 1910-1917

A expressão ""manter em respeito"" parece ser aqui um eufemismo interessante.



Para que exista verdadeira democracia tem de haver cidadania. E para que essa cidadania não seja um conceito vazio, os cidadãos necessitam de estar dotados de sabedoria e de meios adequados; tem de estar dotados de conhecimento relevante, relações e de "musculo". Naturalmente que existem membros da comunidade nacional que detem esses atributos - mas serão a maioria dos eleitores/votantes?

Não nos esqueçamos que na Democracia de Atenas, apenas uns 10 a15% da população tinha direitos de cidadania e de voto. Os restantes 90 ou 85% (escravos, mulheres, crianças e estrangeiros) não tinha esses direitos.

Para além desse facto, aqueles que votavam, votavam directamente (não através de partidos intermediários) e tinham capacidade para pedir contas pela execução do acordado e de penalizar quem se furtasse "claramente" aos compromissos assumidos em assembleia/Ecclesia.

Que diferenças tem a maioria das democracias actuais relativamente à de Atenas de Péricles?
- Em primeiro lugar conferem o direito universal ao voto, mas conscientes de que a maioria dos votantes não consegue discernir entre o bom e o mau - e, mais ainda, não tem o poder de pedir contas, e impor consequências reais, pelo não cumprimento dos compromissos políticos assumidos por parte daqueles que recebem a procuração de governação;


- Em segundo lugar, a procuração de governação (voto) é passada a organizações intermediárias (partidos), onde parte dos elementos são seleccionados para figurarem em cartaz de propaganda (modelos populares) - e onde os restantes (nucleo) são, tendencialmente, representantes (familia) dos grandes clãns do poder ou finança,  profissionais da manipulação social, do equilibrismo de poderes e da demagogia.

Assim sendo o que significa cidadania nos dias de hoje? Significará o mesmo que na Atenas do Sec. IV BC? Será que cidadania semelhante à de Atenas continua a existir mas apenas, com nome diferente, para uns poucos? Será que o moderno significado de cidadania se aplica apenas aqueles que podendo votar, não tem qualquer meio para refrear, ou "exigir contas", àqueles em quem votam?

Muitos existiram (e existem) que não viam com bons olhos o voto universal, a começar por Platão, contemporâneo da primeira democracia. Vejamos o que diziam:

Platão, em "A Republica" , visto por Jorn K. Bramann (Educating Rita and Other Philosophical Movies)

“O antigo filósofo Grego Platão rejeitou a democracia de Atenas na base de que: tais regimes eram sociedades anárquicas sem unidade interna; que elas seguiam os impulsos dos cidadãos em vez de procurarem o bem comum; que as democracias demograficamente mais volumosas (abrangendo universo maior que Cidade-Estado) eram incapazes de permitir que um numero suficiente de cidadãos sentisse as suas vozes ouvidas; e porque tais democracias eram tipicamente dirigidas por “tolos”/"ignorantes".
Platão atacou as democracias de Atenas/Grega por serem essencialmente sociedades libertárias, onde a anarquia era confundida com liberdade. A falta de unidade coerente na democracia de Atenas levou Platão a concluir que tal forma de governo era uma mera colecção de indivíduos ocupando espaço comum em vez de ser uma forma de organização politica. 
Como resultado, Platão acusou tais democracias de não terem regras fora dos impulsos imediatos da maioria dos eleitores - e da falta de liderança resultante da noção de igualdade neste regime.
Platão sublinhava que, na democracia de Atenas, a procura individual da satisfação dos próprios desejos levava ao egocentrismo e conflito, em vez de da procura do bem comum. Pelo facto dos cidadãos serem livres de procurar e perseguir suas paixões, Platão afirmava que a liderança racional era impossível na democracia de Atenas, pelo facto dos representantes eleitos servirem as paixões dos cidadãos.”
- A opinião de Platão sobre o assunto encontra-se amplamente retratada na sua obra “A Republica” e na alegoria da cave.

- Será de recordar que Platão viveu na época da guerra do Peloponeso, na guerra civil entre Atenas e Esparta, guerra essa que a democrática primeira perdeu para a oligárquica segunda. Será de acrescentar que durante esse período, em nome da democracia, se cometeram em Atenas irracionalidades, arbitrariedades e carnificinas barbáricas  - e que até o mestre de Platão ( Sócrates) foi  “democraticamente” condenado à morte por simples delito de opinião.

Jorn K. Bramann  (Educating Rita and Other Philosophical Movies)De acordo com Platão, o auto governo democrático não funciona porque o povo comum não aprendeu como dirigir o navio do Estado. Não estão suficientemente familiarizados com coisas tais como economia, estratégia militar, negócios estrangeiros ou com os meandros confusos da lei e ética.
Na sua ignorância eles (o povo) tendem em votar em agentes políticos que os seduzem com aparências e conversa nebulosa e, inevitavelmente, passam a encontrar-se à mercê de administrações e condições sobre as quais não tem controle – porque não percebem (ou não sabem) o que vai acontecendo ao seu redor.
São guiados por emoções, mais do que por análise cuidadosa, e são engodados para guerras aventureiras e vitimados pelas onerosas derrotas que podiam ter sido inteiramente evitadas. Esta é a forma que a Republica (de Platão) pinta a politica em democracia.
Um dos pontos mais importantes na discussão de Platão acerca de conhecimento, educação e democracia é a sua argumentação de que a democracia não funcionará – não será uma verdadeira democracia – a menos que os cidadãos estejam suficientemente preparados para ela. Este é um ponto que muitos democratas modernos partilham.
Um dos proeminentes fundadores dos Estados Unidos da América, James Madison, na sua época afirmou: Um povo que entenda ser o seu próprio governante tem de armar-se como o poder que o conhecimento dá. Um governo popular sem informação popular (relevante), ou meios para adquiri-la, não é mais do que o prólogo duma farsa ou duma tragédia, ou talvez de ambas.”
O desafio que a critica de Platão à democracia ainda põe é a questão de se saber se os cidadãos das actuais democracias estão suficientemente interessados e informados em participar, de forma significativa, no processo democrático. Assim, serão as actuais auto proclamadas democracias de facto sociedades onde o povo é “o seu próprio governante”? – onde eles estão/são suficientemente informados para estar efectivamente no controle do bem comum e/ou das suas vidas? Poderão os cidadãos dessas sociedades realmente perceber porque é que as guerras são declaradas, porque é que recursos são afectos, porque as dividas são assumidas, porquê relações são estabelecidas ou cortadas e por ai adiante? Não poderá estar a acontecer que a maioria dos cidadãos viva numa neblina cognitiva (semeada pelas elites) que os limite a votar na base de emoções básicas, convicções desinformadas, slogans apelativos e, de forma geral, com base em vagos palpites e sentimentos?

 John Adams   (Segundo Presidente dos Estados Unidos)

"Lembrem-se que a democracia nunca dura muito. Ela cedo se desperdiça, se esgota e se assassina. Ainda não existiu democracia que não tenha cometido suicídio.
É inútil, ou em vão, dizer-se que em democracia existe menos vaidade, menos orgulho, menos egoísmo, menos ambição ou menos avareza do que na aristocracia ou na monarquia. Essa diferença não existe e a história não demonstra o contrário.
Essas paixões são as mesmas em todos os homens, sob todas as formas de governo simples, e quando não controladas produzem os mesmos efeitos de fraude, violência e crueldade.
Quando perspectivas claras
de fácil gratificação são abertas perante a vaidade, orgulho, avareza ou ambição, é difícil até para os mais considerados filósofos e os mais conscienciosos moralistas resistirem a essas tentações."

Elazar Menachem Shach (Rabbi e politico Israelita / 1899-2001 )
Elazar Menachem Shach, politico e Rabi Israelita, acusava a democracia de ser uma maquinaria de mentiras, de noções falsas, de procura de interesses “mesquinhos” e de engano. Acrescentava que a democracia não possuía reais e humanos objectivos, dizendo: “A razão principal da democracia é o dinheiro. Um faz o que o outro lhe pede para fazer mas na procura do seu interesse particular, portanto para receber em troca aquilo que pede – e o propósito geral da transacção é de que cada um obtenha aquilo que deseja”.
(Do género – faço, ou entrego, tudo aquilo que me pedires, sem qualquer limitação ética ou moral, desde que me pagues de forma adequada)

Robert Michels (sociólogo alemão radicado na Itália / 1876-1936)

"Um dos maiores ataques académicos às bases da democracia foi feito pelo cientista político Alemão, Robert Michels, figura que desenvolveu o fundamental da teoria e ciência politica denominada “Lei-de-ferro-oligarquica” em 1911.
Michels argumentou que a oligarquia é inevitável como uma “Lei-de-Ferro”, no seio de qualquer organização, como parte das “tácticas e necessidades técnicas” de organização.
Ainda sobre o tópico da democracia, Michels afirmava que: “ É a organização que dá origem ao domínio dos eleitos sobre os eleitores, dos mandatários sobre os mandantes, dos delegados sobre os delegantes. Quem falar em organização estará a falar em oligarquia.”

E continuava defendendo: “A evolução histórica ridiculariza todas as medidas profiláticas que foram sendo adoptadas para precaver a sociedade contra a oligarquia”.  Afirmava ainda que o objectivo oficial da democracia de eliminar a elite dominante é impossível, porque a democracia é uma fachada legitimando o domínio duma elite particulare esse domínio por uma elite, que continua a ser uma oligarquia, é  inevitável."

De uma forma geral é fácil aceitar como válidas as questões colocadas no ultimo bloco do texto acima de Jorn K. Bramann. Não que o cidadão comum não seja, de uma forma geral, capaz de entender ou de se interessar pela real coisa publica. Nunca encontrei prova cientifica que me garantisse sequer  a existência de diferenciação genética entre "cidadão comum" e "cidadão superior", como se de espécies diferentes se tratasse.

A questão importante é a de saber se, após a instalação de uma forma de governo (democracia ou outra), interessa à elite que chega ao poder, ter de prestar contas da sua acção ou ter o trabalho de procurar consensos e explicar as suas motivações à massa dos seus originais apoiantes. Governar sob vigilância pode ser uma chatice, principalmente quando se tem uma livre procuração, o poder e os meios na mão.

Não seria mais fácil montar uma ficção de realidade, com dois (ou mais) “mundos” paralelos e manter os apoiantes de base (povo) tranquilos e satisfeitos num desses mundos (o ficcional), reservando o outro para a própria elite (o real)? Não seria interessante uma divisão de "mundos" em que o primeiro (destinado ao povo) fossem reservandos os "prazeres" do trabalho, da submissão, da ordem e da lei - e reservado para o segundo (elites) as "chatices" do poder, da riqueza, do dominio, do conhecimento e da força?

E, perseguindo propósitos de consolidação e perpetuação de poder, que tal reservar para o controle dessa elite aquilo que move o mundo?(criação de dinheiro e, indirectamente, controlo dos bancos, da industria c/ potencial militar, das fontes de energia e dos sistemas fiscais)? E que tal entrincheirarem-se por detrás dos bancos centrais ou duma federação de bancos centrais? Assim, poderiam dominar, e transferir herança, sem terem de se submeter à chatice, ao perigo ou à vergonha da eleição periódica de resultado incerto.
Dessa forma, garantida essa reserva de domínio exclusivo sobre o fundamental, e sabendo-se que o dinheiro ilimitado compra quase tudo, poderiam criar partidos políticos (destinados a formar governos de fácil aceitação popular). E esses partidos (preferencialmente dois por Estado), com retóricas opostas, poderiam ir a votos do povo, com programas de “faz de conta”, mas obedecendo a quem lhes “pagasse”(a dita elite) e não a quem em neles votasse.
 Assim que os votantes se fartassem de um, votariam no outro alternativo, do mesmo "dono". E como no povo a memória é tipicamente curta, 4 anos seriam suficientes para se esquececem que ambos os partidos seriam basicamente iguais. E aqueles outros alternativos que com vigor se desviassem muito (ou consistentemente) dos interesses dessa elite, atiçar-se-lhes-iam os “cães de guarda”, até se desmoralizarem ou desaparecerem.

Desta forma o povo viveria feliz e contente, assumindo que o poder estaria nas suas mãos e nem suspeitando sequer que o único poder que lhe era concedido seria o de fazer uma cruz numa folha de papel em cada "ano bisexto".

Mas seria isso assim tão simples de implementear? Não haveriam dificuldades e riscos? Claro que sim, como a necessidade de encontrar respostas a várias questões, entre as quais as seguintes:

1 - E se mesmo assim (cenário acima) a coisa não funcionasse e o perigo de mudança de dinastia se perfilasse no horizonte, o que se poderia fazer?

- Entre muitas coisas possíveis, cancelar-se-ia “sine die” a “brincadeira” do voto universal e impor-se-ia uma qualquer “lei-marcial”, mais ou menos duradoura, mais ou menos musculada, até poder-se eliminar de forma directa e rápida qualquer ameaça emergente.
2 - E qual seriam as possíveis ameaças à “dinastia reinante”?
- Poderia ser de muitas origens mas uma delas seria certamente a diluição do consentimento popular e pacífico, normalmente manifestado em baixos niveis afluência às urnas de voto - e nos desacatos e turbulência social publica.
3 - E como garantir esse consentimento?
- Entre as muitas alternativas possíveis, talvez algumas das seguintes:
a) - com a utilização das velhas soluções, usando as escolas e universidades, destinando-lhes, também, a função da montagem mental da realidade fictícia acima referida (sentimento de integração num Estado de Direito - c/ Lei, Justiça, obrigações e oportunidades iguais para todos);
b) - com a criação da convicção popular da não existência de melhores alternativas de governação;
c) - com a ridicularização da ideia de existirem sempre "dois" pesos e "duas" medidas na governação (diferentes consoante se trate do comum votante, do transitório "actor" votado ou do permanente “Duque”);
d) - com a reciclagem frequente dessa imagem a fazer-se pelos agentes culturais "subsidiados" e pelos órgãos de comunicação social do sistema;
e) – pela desarticulação das reais redes comunitárias ou de grupo que se mostrassem com vitalidade, conhecimento e independência;
 f) – pela sabotagem de quaisquer condições que favorecessem a autonomia bem sucedida de tais comunidades tendencialmente independentes;
g) - com a ocupação de todo o tempo do povo/eleitores com actividades académicas, laborais e profissionais, com o fomento do lúdico ou do entretenimento dependente - e com dispersão das atenções populares do conhecimento relevante no tocante às formas de distribuição dos recursos materiais e posicionamento social.

Tudo o que favorecer o consentimento pacífico do sistema é valioso. Tudo o que favorecer o sentimento popular de que o poder estabelecido protege e segura, é valioso. Tudo o que favorecer a ideia de que o povo é tratado pelos Estados de forma igual à das elites, é valioso. E os partidos políticos são valiosos na medida em que promovam ou mantenham esse estado de espírito na grande maioria dos governados.

Se esse ou outro muito mais elaborado cenário de controlo social foi alguma vez colocado como hipótese, é possivel que não se tenham descuidaram em testá-lo, aperfeiçoá-lo e levá-lo, no todo ou em partes, à prática.
A este propósito aqui ficam algumas frases emblemáticas de Noam Chomsky 
 (Manufacturing Consent)
"O optimismo é uma estratégia para criar um futuro melhor. Porque a menos que você acredite que o futuro possa ser melhor, é improvável que você se mobilize e assuma a responsabilidade de o realizar."

"Educação (publica) é um sistema de ignorância imposta."

"Democracia neoliberal. Em vez de cidadãos, ela produz os consumidores. Em vez de comunidades, ela produz Centros Comerciais. O resultado é uma sociedade atomizada de indivíduos que se sentem desligados, desmoralizados e socialmente impotentes."
"Em suma, o neoliberalismo é o inimigo imediato e principal de uma verdadeira democracia participativa, não apenas nos Estados Unidos mas em todo o planeta, e continuará a sê-lo no futuro previsível."

Sabemos que no presente século o incremento brutal da sofisticação tecnológica alterou, em muito, as formas de vida social e de governação humanas. Sabemos que a criação das interdependências e especializações, destinadas a suster, alimentar e ocupar a demografia em veloz expansão, retiraram autonomia de sobrevivência às comunidades locais e nacionais. Sabemos que a substituição das "War Games" pelas "Peace Games", suportadas pela Inteligência Artificial em vertiginosa (e perigosa) evolução, afastaram o comum cidadão de conhecimento relevante e do domínio de importantes partes das suas vidas. Mas, apesar disso tudo, a vida humana continua a ter o mesmo valor que antes tinha, quer se reporte a individuos dotados de grande conhecimento e poder, quer se reporte aos outros apenas aptos para os adquirir e usar em proveito dos seus semelhantes. Se a vida humana tem algum(s) propósito(s), decerto que a evolução técnica ou a subjugação do semelhante não estarão no topo da hierarquia.
Apesar da visão darwiniana - das vidas em luta pela sobrevivência e pela procriação - se poder aplicar ao ser humano, sobreviver, reproduzir-se e morrer pode não ser razão suficiente para a nossa existência e, ainda menos, para qualquer tipo de "canibalismo".

Em resumo, muita água correu debaixo das pontes desde os tempos da democracia de Atenas mas, tanto quanto nos apercebemos, a natureza humana não se alterou ... nem o sentido da vida. Portanto, mais do procurar formas perfeitas de governo humano, para humanos imperfeitos, há que ir ajustando as que temos - de forma a que o aumento de afastamento entre os extremos não leve a que uns se passem a considerar "Deuses" enquanto os outros se contentam com o estatuto de "insectos".

Assim e a propósito da "democracia" que vamos tendo, e apesar do voto universal, muitos terão notado que a vontade do povo não tem prevalecido - e que a maioria dos eleitores tem sido de tal forma desencorajada que já nem votam. A principal razão para isso parece ter sido a compra e venda de eleições e partidos pela classe mais abastada/posicionada de cidadãos e por seus grupos especiais de interesse. Um ano ou mais antes das eleições acontecerem, o vencedor costuma já está decidido por aqueles que votam (directa ou indirectamente) com dinheiro. Mas isto é uma deficiência da democracia, não é uma razão para a abandonar. A resposta deverá ser a cura destes males e não a tentativa de a destruir.

Nota: Que me perdoem os autores de alguns destes cartoons por usá-los sem referencia de origem. De facto, dadas as alterações introduzidas quer no contexto, quer na mensagem, qyer  na forma ou formato acho que preferirão que assim seja.